Óleos Essenciais contém química?

Essa pergunta pode parecer muito simples para algumas pessoas, mas ainda causa uma certa confusão em muitas pessoas. Por vezes quando fala-se de produtos naturais, há uma compreensão de que este produto, caso seja puro, é livre de agentes químicos.

Este erro ocorre pois no senso comum a palavra química está relacionada à produção sintética de substâncias. Mas não é bem assim. Inclusive, uma disciplina comum nos cursos acadêmicos de ciências biológicas ou da saúde é a disciplina de bioquímica. A bioquímica é o ramo da química que estuda os constituintes das matérias vivas e os processos químicos que ocorrem nestas.

Ao falarmos da química dos óleos essenciais, estamos falando dos compostos moleculares que os compõem e que vão determinar suas ações terapêuticas, sua estrutura aromática, sua toxicidade, bem como suas dosagens de segurança. Assim, ainda que você não conheça uma planta da qual se originou um determinado óleo essencial, se você souber quais compostos moleculares estão presentes nele, será capaz de saber quais propriedades terapêuticas e quais riscos aquele óleo essencial será capaz de oferecer. 

Se você conhece a química do óleo essencial de lavanda e sabe que ele é composto por linalol e acetato de linalila, ao conhecer a composição química do Petitgrain, ainda que não saiba nada sobre este óleo, você logo conseguirá compreender que ele tem propriedades similares ao óleo essencial de lavanda, afinal, sua composição química principal é justamente linalol e acetato de linalila. Isso aumenta o repertório de conhecimento e autonomia no uso dos óleos essenciais.

Mas saber da química dos óleos essenciais é realmente importante? Se você quer fazer um uso seguro em casa, é preciso que você busque informações seguras para um uso mais pontual (recomendamos que comece com o download do nosso e-book de primeiros passos). Mas se quiser trabalhar com óleos essenciais é interessante que você saiba um básico acerca da química dentro da aromaterapia. Pois é esse entendimento que vai te indicar quais óleos podem ser contraindicados para crianças, idosos, gestantes, asmáticos, pessoas que fazem uso de anticoagulante, ou são fotossensibilizantes, etc. 

Uma forma de saber mais sobre quais componentes estão presentes em cada óleo essencial é avaliar o cromatograma que a marca pode te fornecer. O cromatograma te conta toda a composição química daquele óleo essencial para que você saiba exatamente quais as características do óleo essencial que você está comprando e, a partir dos nomes dos compostos presentes, você poderá fazer pesquisas mais assertivas sobre suas propriedades.

Parece um tanto complicado, não é mesmo? Mas temos livros eficazes no mercado para ensinar acerca destes temas e você se tornar cada vez mais um entendido em aromaterapia e poderá ter ainda mais autonomia e domínio no uso destas substâncias tão incríveis.

Sugestões de leitura:

Baudoux, D. O grande manual de aromaterapia de Dominique Baudoux. Editora Laszlo, 2019.

Clarke, S. Química essencial para aromaterapia. Editora Laszlo, 2021.

Wolffenbüttel, A. N. Bases da química dos óleos essenciais e aromaterapia. Editora Laszlo, 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: