Lavanda x Lavandim: você sabe a diferença?

Lavandula é um gênero de plantas pertencente à família das Lamiáceas, que tem dezenas de diferentes espécies adaptados em diferentes lugares e climas no mundo. A mais famosa espécie deste gênero é a Lavandula angustifolia, conhecida por ser muito consumida tanto na culinária, na cosmética e na perfumaria, quanto na aromaterapia. Contudo, existem outras espécies que podemos ter acesso no mercado, seja em forma de óleo essencial, seja em mudas vivas e ervas secas.

Neste artigo, você irá conhecer um pouco mais sobre as distintas espécies de lavanda e quais suas principais diferenças de uso e propriedades.

Tipos de Lavanda

A Lavandula angustifolia, também chamada de Lavanda fina ou Lavanda francesa, tornou-se reconhecida e desejada por suas propriedades sedativas e relaxantes. No caso do óleo essencial de Lavanda francesa, essas propriedades estão associadas à grande presença dos compostos linalol e acetato de linalila. Ambos correspondem a 80-85% da composição deste óleo essencial e têm efeito sedativo no sistema nervoso central. Esses números têm certa instabilidade, pois a produção bioquímica da planta pode variar dependendo do país de origem, das condições climáticas e de altitude.

No entanto, nem toda lavanda tem a produção destes dois compostos. A lavanda que vemos comumente no Brasil, por exemplo, é popularmente chamada de Alfazema. É uma planta rica nos compostos 1,8 cineol e cetonas, dentre elas a cânfora. Isso é o que torna a Alfazema uma planta muito mais estimulante do que relaxante, tendo propriedades e usos totalmente diferentes da Lavanda francesa.

Lavandim é lavanda?

O Lavandin, por sua vez, é uma outra espécie do gênero Lavandula. Seu nome científico é Lavandula x intermedia ou hybrida. Essa espécie é um híbrido entre a Lavandula angustifolia e a Lavandula latifólia. A primeira, da espécie angustifolia, é produzida em altas altitudes de 600m acima do nível do mar, enquanto abaixo desta altitude é encontrada a espécie latifolia (também chamada de Lavanda Spike). No entremeio das duas plantações, através da polinização cruzada natural de ambas lavandas, se origina uma nova espécie: o Lavandin.

Desta forma, o Lavandin conserva em sua composição química características das duas espécies que lhe deram origem, contendo tanto linalol e acetato de linalila, quanto cânfora e 1,8 cineol que também estão presentes na Lavanda Spike (assim como na nossa Alfazema). Portanto, o Lavandin pode não ter um efeito tão sedativo quando a Lavandula angustifolia e também é passível de algumas contraindicações, como o uso em crianças menores de 3 anos.

No entanto, há outras propriedades do Lavandin que são interessantes de serem utilizada, como seu efeito expectorante e analgésico, além de ser indicado para alívio de picadas de insetos e dores de queimaduras, como a Lavanda Francesa. O Lavandin tem um rendimento até quatro vezes maior na produção de óleos essenciais em comparação com outras espécies da lavanda e costuma ser muito utilizado na perfumaria, cosmética e produção de produtos aromáticos, pois o alto rendimento lhe confere um valor de custo menor.

E você, já conhecia essas duas espécies? Na Via Aroma você encontra o óleo essencial tanto do Lavandin quanto da Lavanda angustifolia. Não deixe de conhecer!

Veja também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: